O que as práticas higiênicas islâmicas podem ensinar quando o coronavírus está se espalhando

O que as práticas higiênicas islâmicas podem ensinar quando o coronavírus está se espalhando

(A CONVERSAÇÃO) À medida que surtos de coronavírus se espalham por todo o mundo, as pessoas são lembradas repetidamente para limitar o contato físico, lavar as mãos e evitar tocar no rosto. As recentes documentações da Netflix, “Pandemia: Como prevenir um surto”, ilustram como a lavagem ritual islâmica, conhecida como “wudu”, pode ajudar a espalhar uma boa mensagem de higiene.

A série se concentra em Syra Madad, especialista em saúde pública muçulmana em um hospital de Nova York, que faz uma pausa para fazer suas orações no Centro Islâmico da Universidade de Nova York. Antes de entrar na sala de oração, Madad para para fazer wudu e lava a boca, o rosto e os pés.

A lei islâmica exige que os muçulmanos purifiquem ritualmente seu corpo antes de orar. Como estudioso de estudos islâmicos que pesquisa práticas rituais entre muçulmanos, descobri que essas práticas contêm benefícios espirituais e físicos.

Pureza ritual

O Profeta Muhammad deixou orientações detalhadas para os muçulmanos sobre como viver suas vidas, incluindo como orar, jejuar e permanecer ritualmente puro. Esta orientação está disponível em coleções chamadas Hadith.

De acordo com a lei islâmica, existem impurezas menores e maiores. Pequenas impurezas envolvem urinar, defecar e dormir, entre outras práticas. Uma pessoa de fé muçulmana deve realizar uma lavagem ritual de seus corpos antes de orar para se livrar dessas pequenas impurezas.

Wudu deve ser realizado, como foi feito pelo Profeta Muhammad (Que a paz e bênçãos estejam com ele), em uma ordem específica antes de orar, que ocorre cinco vezes por dia. Antes de cada oração, espera-se que os muçulmanos se lavem em uma determinada ordem - primeiro as mãos, depois boca, nariz, rosto, cabelo e orelhas e, finalmente, tornozelos e pés.

Embora a lavagem com água seja necessária quando estiver disponível, se uma pessoa tiver acesso limitado à água, então um muçulmano poderá simbolicamente "limpar" as mãos e o rosto com poeira ou, às vezes, areia ou outros materiais naturais.

Um verso do Alcorão diz: “E se você estiver doente ou em uma jornada ou se algum de vocês vier do local de se aliviar ou tiver entrado em contato com mulheres e não encontrar água, procure terra limpa e limpe o rosto e as mãos [com isto]. De fato, Deus está sempre desculpando e perdoando.”

Um hadith do profeta também descreve a Terra como um agente purificador se houver escassez de água para lavar.

A impureza maior é definida nos textos islâmicos como ocorrendo após a atividade sexual ou quando uma mulher completa seu ciclo menstrual. Uma mulher muçulmana não deve orar durante seu ciclo menstrual. Para se purificar após essa impureza, um muçulmano é obrigado a tomar um banho, chamado "ghusl". Uma pessoa precisa lavar todo o corpo, da cabeça aos pés, incluindo os cabelos.

Preparar-se para a oração lavando o corpo com água pode ser um ato profundamente espiritual para os muçulmanos. O estudioso de estudos islâmicos Paul Powers argumenta que não é "ritualismo vazio", mas uma prática incorporada que ajuda o indivíduo a se concentrar em uma religiosidade interior.

Da mesma forma, outra estudiosa de estudos islâmicos, Marion Katz, explica em seu livro de 2002 “Body of Text” que a importância do wudu está em sua limpeza simbólica. Nem sempre limpa as partes do corpo que estão "fisicamente envolvidas no ato de poluição".

A pureza ritual é diferente das práticas de higiene, embora o Islam também enfatize a boa higiene. Os muçulmanos tomam o cuidado de lavar-se com frequência, incluindo o uso de água depois de ir ao banheiro.

Alinhando com as diretrizes de saúde pública

Em vista do risco de coronavírus, líderes muçulmanos de todo o mundo, inclusive nos EUA, alinharam suas opiniões religiosas com especialistas em saúde pública.

Instituições muçulmanas começaram a recomendar que as pessoas lavem as mãos por 20 segundos com sabão antes de fazer wudu. Enfatizando que o wudu sozinho não pode impedir a propagação do vírus, outras instituições islâmicas recomendam que as mesquitas forneçam sabão extra e desinfetante para as mãos próximo da área de lavagem.

Eles emitiram decisões para cancelar as orações de sexta-feira, instaram os muçulmanos a lavar as mãos com sabão regularmente, a não tocar no rosto e a praticar o distanciamento social.

Embora as pessoas tenham limpado as prateleiras de desinfetantes para as mãos, lenços, material de limpeza, luvas e máscaras, as práticas básicas de higiene continuam sendo a melhor maneira de impedir a propagação do coronavírus e outros vírus.

Atualmente, as práticas islâmicas que enfatizam a pureza do corpo podem ajudar a reiterar a importância das práticas de higiene, juntamente com o uso de sabão ou desinfetante para as mãos, para reduzir a vulnerabilidade ao vírus.